• Jornal Nacional

Apesar de ser produtor, Brasil precisa importar petróleo

O Brasil produz 3 milhões de barris de petróleo por dia e consome 2,5 milhões. Mesmo assim, importa 300 mil barris por dia. Se produzimos mais do que gastamos, por que não somos autossuficientes?

A explicação para essa conta não vem só das calculadoras. Vem também dos laboratórios. É que existem vários tipos de petróleo. Alguns são mais pesados, mais viscosos. Outros são chamados de leves, ideais para fazer alguns tipos de combustíveis.


Petrobras reajusta preços da gasolina, diesel e gás de cozinha

Isso é fundamental na hora de transformar o óleo bruto em gasolina, diesel, querosene de aviação e todos os subprodutos que saem da refinaria.

As refinarias do país foram quase todas construídas até a década de 1970. Nessa época, o Brasil importava petróleo leve do Oriente Médio. Então, as máquinas foram escolhidas para essa matéria-prima.

Em 1979, encontramos as grandes reservas da Bacia de Campos, no litoral do Rio de Janeiro; e nos anos de 1980, adaptamos as refinarias para processar o petróleo pesado que extraíamos de lá.


Senado aprova projeto que cria auxílio gasolina e fundo para estabilizar preços dos combustíveis

Na primeira década dos anos 2000, tivemos que fazer novas adaptações. Dessa vez, para o petróleo do pré-sal. Ele é mais leve do que o de Campos, mas ainda mais pesado que o do Oriente Médio, por exemplo.

“A Petrobras já fez os investimentos que eram necessários. Se a gente olhar para o tanto que a gente usa hoje de petróleo brasileiro, nós temos uma taxa bem alta. Hoje, de tudo o que é refinado, 92% são de petróleo brasileiro. Em 2000, a gente usava só 75%, ou seja: 25% do petróleo refinado eram importados”, conta Rodrigo Leão, pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep)

Hoje, 75% do petróleo refinado no Brasil vêm do pré-sal, 17% são da Bacia de Campos, mais pesado, e ainda precisamos importar 8% de petróleo leve para conseguir a mistura ideal para o refino, tanto do ponto de vista técnico quanto do econômico. . Restrição dos EUA ao petróleo russo: quais podem ser as consequências para a economia?

“A análise é feita até por inteligência artificial. São milhares de variáveis que entram aí, e que variam também de acordo com a precificação desses subprodutos no mercado internacional. Tem época que a gasolina vale mais, tem época que vale menos, então o que se coloca quando vai se planejar uma carga da refinaria, você leva essas variáveis todas em consideração para que você otimize o resultado dessa refinaria em termos de rentabilidade e de atendimento ao mercado”, explica Eberaldo Almeida, presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP).

Mas, mesmo assim, toda a produção que as nossas refinarias conseguem fazer não é suficiente para abastecer o mercado interno. Então, nós continuamos importando os combustíveis e vendendo o excesso de petróleo bruto que não damos conta de refinar.

. Risco de faltar combustíveis no Brasil não está descartado, afirma especialista

“A gente exportou, ano passado, 1,2 milhão barris por dia, nos transformando no maior exportador de petróleo da América Latina. E por que a gente tem dependência em refino? Por que o Brasil importa 30% dos derivados que consome? É que faltou investimento em refinaria. A Petrobras, nos últimos, anos investiu muito pouco em refino, porque ela privilegiou o investimento em exploração e produção de Petróleo, que dá uma taxa de retorno maior para empresa”, diz Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura.

4 visualizações0 comentário