• CNN Brasil

Aumento da produção de petróleo não garante combustíveis mais baratos, diz ANP

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Rodolfo Henrique Saboia, comentou a expansão da produção de petróleo, anunciada pelo Ministério de Minas e Energia.


"O aumento da nossa produção vai crescer naturalmente através do investimento das nossas empresas", comemorou. No entanto, Saboia não garante que o crescimento vai causar impacto direto no preço dos combustíveis no país.


"A nossa produção é destinada, muitas vezes, para o refino interno, às vezes para exportação... isso depende das empresas, o direcionamento que cada empresa produtora vai dar ao seu produto. Então, em tese, isso contribui para a oferta no mercado e, sem dúvida nenhuma, é um fator positivo", explicou o presidente da ANP.


A avaliação foi feita antes da abertura do 35º Congresso da Associação Ibero-americana de Gás Liquefeito de Petróleo (AIGLP), no Rio de Janeiro.


Nesta quarta-feira (23), o ministro Bento Albuquerque afirmou que, a partir deste ano, o Brasil irá aumentar em 300 mil barris por dia a produção de petróleo.


Segundo Albuquerque, a ideia é tentar ajudar na estabilização do mercado internacional de commodities.


Em janeiro, segundo dados da ANP, o país produziu média de 3,032 milhões de barris diários.


No acumulado de janeiro, a produção brasileira somou 94 milhões de barris. Bento Albuquerque defende que a transição energética para uma matriz mais limpa --- com menos combustíveis fósseis e mais renováveis --- "deve avançar de mãos dadas com a segurança energética".


No entanto, o crescimento divulgado pelo governo federal já constava em um planejamento de expansão de energia, divulgado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE).


A diretora de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Heloisa Borges, explicou que, de acordo com o plano, a previsão é de que o Brasil atinja os 3,36 milhões de barris produzidos por dia ainda esse ano. Até 2031, a expectativa é chegar a 5,17 milhões/dia.


Desse total previsto para próxima década, 93% são sustentados por recursos já descobertos. Segundo Heloisa, a maior parte do aumento virá da Petrobras.


A diretora de estudos, lembrou, ainda, que a produção brasileira, hoje, já supre a demanda de petróleo, mas para os derivados é necessário investir no parque de refino. "A gente se tornar autossuficiente em vários derivados ainda essa década. Isso em função de alguns investimentos que a gente está esperando com o novo modelo de abastecimento e com a dinamização que a gente está vendo acontecer no nosso abastecimento nacional."


Heloisa acredita que o país caminha para uma diminuição nos preços dos combustíveis, mas lembra que esses valores não dependem apenas da produção brasileira e sim do mercado internacional.


A CNN perguntou a Petrobras se a empresa pretende aumentar a produção e como iria funcionar esse planejamento, mas a empresa respondeu sugerindo que procurássemos o MME, "já que o ministro se referiu à produção nacional e não à da Petrobras."

1 visualização0 comentário