• Portos e Navios

Bunker One estuda adição de biodiesel aos combustíveis marítimos

Inédita no Brasil, iniciativa está sendo realizada em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e contará com testes laboratoriais e nas embarcações


A Bunker One, empresa que atua no fornecimento de bunker e lubrificantes para navegação, está investindo no desenvolvimento de uma nova categoria de combustível marítimo no Brasil. A empresa firmou uma parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para estudar a viabilidade da adição de 7% de biodiesel ao óleo diesel marítimo.


A expectativa é que em até oito meses sejam apresentados resultados que confirmem essa viabilidade e que possam contribuir para a criação de uma política pública sustentável para a indústria de navegação. O objetivo do projeto é reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e aproveitar o potencial desta fonte de energia renovável no Brasil, que é o segundo maior produtor de biodiesel do mundo.


“O mercado de navegação pode oferecer um ganho de escala ímpar ao setor do biodiesel e acreditamos que viabilizar a adição segura de biodiesel aos combustíveis marítimos é uma solução estratégica para o fortalecimento do Brasil. A Bunker One já desenvolve com sucesso projetos deste tipo em outros países e o Brasil é um mercado importante para nossas operações.


Queremos inovar aqui também, colaborando para o crescimento sustentável do setor de navegação na região, além de criar uma alternativa para indústria do biodiesel, que foi impactada com a redução da quantidade de biodiesel na mistura com o diesel rodoviário”, afirma o presidente da Bunker One, Flavio Ribeiro.


As pesquisas em campo serão realizadas nos rebocadores da Bunker One que operam no Rio de Janeiro e os demais estudos serão realizados no Laboratório de Análises de Ambientais, Processamento Primário e Biocombustíveis da UFRN, uma referência nacional nos estudos relacionados ao setor de biocombustíveis. O trabalho será conduzido por sete pesquisadores da UFRN, com a coordenação da professora Amanda Duarte Gondim, doutora em Química, Petróleo e Energias Renováveis. Todos os testes serão realizados de acordo com as resoluções da Agência Nacional de Petróleo, a partir de misturas que serão avaliadas durante a armazenagem e aplicação.


A aplicação do biodiesel no transporte terrestre já é uma realidade no Brasil, mas ainda não acontece no transporte aquaviário. Esta mudança tem potencial para reduzir a dependência de combustíveis fósseis para o meio de transporte marítimo, ajudar no combate às alterações climáticas e melhorar a qualidade do ar.


Ao avaliar as propriedades físico–químicas das misturas diretamente nas embarcações, a pesquisa terá condições de trazer análises mais assertivas sobre os gargalos tecnológicos para adição do biodiesel em combustíveis marítimos e apontar caminhos para difundir o uso do biodiesel no setor.


Fonte: Portos e Navios

1 visualização0 comentário