• Combufy

Câmbio é “principal vilão” da alta dos combustíveis, não o ICMS, diz diretor do CBIE

Jovem Pan – O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, defende a criação de um fundo de estabilização para diminuir a volatilidade nos combustíveis. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta terça-feira, 26, ele apontou os principais responsáveis pelos constantes aumentos de preço da gasolina e do diesel e defendeu que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado pelos estados não é o principal responsável pelas altas.


“Não é ICMS que faz aumentar o preço da gasolina e do diesel. O que faz aumentar é o câmbio, que considero o principal vilão, e o preço do barril do petróleo”, afirmou.


Na visão de Pires, embora uma discussão sobre uma mudança na cobrança do imposto seja válida, é preciso que o governo federal e o Congresso Nacional se alinhem para buscar uma solução efetiva da crise. “Daqui a pouco você não vai segurar a greve dos caminhoneiros, não tem jeito. Estamos empurrando um problema”, completa.


“A população está realmente sendo muito onerada, a gasolina a quase R$ 7, o botijão de gás a mais de R$ 100. A gente enche um tanque com quase R$ 500, um caminhoneiro pode gastar R$ 2.000 para encher um tanque de diesel. […] No curto prazo, a decisão que o governo tem que tomar é estabilizar o preço”, afirma.


Para que isso seja possível, Adriano Pires aponta que a criação do fundo de estabilização deve ser pautada usando dinheiro dos royalties, cerca de R$ 90 bilhões arrecadados neste ano – uma medida que ele considera necessária para esse “momento extraordinário”.


“Não dá mais para deixar a população pagando o preço dos combustíveis subindo toda semana. Tem que criar um fundo de estabilização, usar dinheiro dos royalties. Dinheiro tem, o que está faltando é vontade política”, argumenta.



0 visualização0 comentário