O preço médio da gasolina nos postos de combustíveis do Brasil avançou pela oitava semana consecutiv

Com o petróleo batendo nos US$ 78, em máximas de três anos, a semana vai abrir com os acionistas minoritários da Petrobras (PETR4) e o setor de etanol se perguntando se haverá aumento da gasolina nas refinarias.


O último aumento dado pela estatal foi em 11 de agosto, de 3,38%.


Embora a gasolina esteja acima de R$ 6, na média contabilizada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), em novo aumento semanal, a disparada do petróleo, pela menor exposição de produção e estoques globais, também está combinada com o dólar acima de R$ 5,30. O carrego do custo cambial encarece mais ainda a importação do óleo cru.


Flagrantemente a Petrobras rasgou a Política de Preços de Paridade (PPI), instituída no governo de Michel Temer, e essa intervenção tira potencial das ações da companhia no mercado.


O etanol hidratado segue subindo nas usinas, 1,12% na última semana (Cepea) e também nos postos – foi à média de R$ 4,17, também segundo a ANP, até sexta -, porém são altas que refletem mais a oferta muito curta na produção, diante de uma safra de forte quebra e praticamente perto de encerrar as atividades.