• NovaCana

Petrobras não tem decisões tomadas sobre ajuste de preços de combustíveis, diz Luna

A Petrobras analisa a pressão de alta da cotação do barril de petróleo, mas por enquanto não há nenhuma decisão tomada quanto a ajustes nos preços dos derivados, disse nesta quarta-feira à Reuters o presidente da estatal, general da reserva Joaquim Silva e Luna.


Segundo ele, após a invasão da Rússia à Ucrânia, o mercado do petróleo ficou “nervoso” e com muitas “incertezas”.


Nesta quarta-feira, o barril do combustível fóssil tipo Brent fechou acima de US$ 100, com alta de 7,6%, a US$ 112,93, depois de tocar o pico de US$ 113,94 o barril durante a sessão.


A Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) apontou que os valores médios de diesel e gasolina da Petrobras atingiram defasagem de preço de 25%, o maior patamar em 10 anos.


“O mundo mergulhou num cenário de incertezas (com a guerra)”, disse Luna à Reuters. “É isso que estamos estudando”, acrescentou ele ao ser questionado até quando a Petrobras suportaria a alta de preços do Brent, sem fazer ajustes nas cotações dos derivados de petróleo no mercado interno.


Neste ano, a forte alta do petróleo no mercado internacional foi parcialmente compensada pela desvalorização do dólar frente ao real. Câmbio e Brent são as duas principais variáveis da política de preços da companhia, que é conhecida como PPI.


O CEO da Petrobras reiterou que o grupo da estatal que avalia a política de paridade de preços analisa o cenário “minuto a minuto” antes de tomar qualquer decisão.


Uma das marcas da gestão de Silva e Luna é não repassar aos preços internos movimentos conjunturais no mercado de petróleo, e os ajustes nos preços são promovidos mediante mudanças estruturais de cenário.

3 visualizações0 comentário