• Forbes Brasil

Shell busca novas fontes de receita e aposta em energia renovável

Em maio deste ano, a Royal Dutch Shell destacou a estratégia de transição energética para aliar suas operações às metas de ‘net zero’, emissões líquidas zero. No ano passado, as receitas da companhia diminuíram 47%, na comparação anual, para US$ 183 bilhões. O prejuízo líquido no período foi de US$ 21 bilhões. A Shell reportou também US$ 34 bilhões em fluxo de caixa, que suportaram US$ 17 bilhões em despesas de capital e US$ 9,4 bilhões em dividendos e recompra de ações.


De acordo com a nova estratégia, a Shell busca direcionar uma parcela maior das despesas de capital para os negócios de crescimento e transição, em vez de priorizar as áreas convencionais de exploração e produção. À medida que a empresa avança em direção a uma dívida líquida de menos de US$ 65 bilhões, as despesas de capital em caixa devem aumentar de US$ 22 bilhões para US$ 27 bilhões.


Até 2025, a empresa tem como meta lançar 15 mil lojas de conveniência, expandir a sua carteira de serviços de varejo e implantar cerca de 500 mil pontos de carregamento de veículos elétricos. Curiosamente, a companhia lançou o Shell Café na Holanda e na Rússia. A estratégia do pilar de crescimento é introduzir novos fluxos de receita, manter a participação de mercado em setores resilientes, expandir a base de clientes e adquirir experiência na descarbonização da mobilidade e de outros setores.


Além disso, a Shell busca alcançar uma participação de dois dígitos no mercado de hidrogênio limpo até 2035. A estimativa é que esses negócios recebam 30% do orçamento de gastos de capital, enquanto a dívida líquida caia para menos de US$ 65 bilhões.


Espera-se que o portfólio de transição receba a maior parcela, entre 35% e 40%, do orçamento de alocação de capital, uma vez que contribui com quase 60% dos lucros da companhia. Para o segmento de gás integrado, a empresa tem como meta uma participação de 20% no mercado de GNL (gás natural liquefeito) até 2030, uma redução de 20% nas despesas operacionais até 2022 e expansão da capacidade de GNL em 7 mtpa (milhões de toneladas por ano) nos próximos quatro anos. Os segmentos de produtos químicos vão se concentrar na expansão da oferta de produtos sustentáveis ​​e no processamento de cerca de 1 mtpa de resíduos plásticos até 2025.

0 visualização0 comentário